Menu Fechar

30 Perguntas, 30 Respostas

O cigarro eletrónico, também conhecido por vaporizador pessoal, é um dispositivo eletrónico para entrega de nicotina, que também pode ser utilizado com líquidos não contendo nicotina.
Tem como finalidade, através do aquecimento de uma resistência, a produção de vapor e, ao contrário dos produtos de tabaco tradicionais, não está sujeito a combustão ou à emissão de fumo |1|Ontario Agency for Health Protection and Promotion (Public Health Ontario), Berenbaum, E., Keller-Olaman, S., Manson, H., Moloughney, B., Muir, S., Simms, C., Singh, H., Watson, K., Current evidence on ecigarettes: a summary of potential impacts. 2018: Toronto, ON: Queen’s Printer for Ontario. .

São. Os cigarros eletrónicos são, a nível europeu, legislados pela Tobacco Products Directive (2014/40/EU) |2|European Parliament, European Council. Directive 2014/40/EU. Official Journal of the European Union. 2014; Available from: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=OJ%3AJOL_2014_127_R_0001., conhecida como TPD e, a nível nacional, pela Lei n.º 109/2015, de 26/08 |4|Assembleia da República. Lei n.º 109/2015. Diário da República n.º 166/2015, Série I de 2015-08-26. 2015; Available from: https://dre.pt/home/-/dre/70114078/details/maximized., revista pela Lei n.º 63/2017, de 03/08 |3|Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized. , que visa regulamentar o mercado europeu de produtos de tabaco, tabaco sem combustão e cigarros eletrónicos, assegurando um elevado nível de proteção da saúde para os cidadãos europeus e, consequentemente, através das supracitadas leis, dos cidadãos nacionais.

Os locais mais aconselhados serão as lojas especializadas de cigarros eletrónicos pessoais, também conhecidas como vapeshop ou lojas de vaping. Embora possam ser adquiridos presentemente em tabacarias ou áreas de abastecimento de combustível, nas suas formas mais simplificadas – numa loja especializada – os lojistas poderão informar acerca do funcionamento dos dispositivos, características, cuidados e manutenção do equipamento. Na compra em loja é também possível efetuar testes e decidir o que melhor se adequa a cada utilizador, bem como a miligramagem de nicotina mais adequada a cada caso.

Não. Mesmo não existindo combustão, ou seja, produção de fumo, os cigarros eletrónicos estão sujeitos à atual lei do tabaco e, portanto, restritos aos locais onde é permitido fumar.

O cigarro eletrónico funciona através de uma bateria, destinada a fornecer energia a uma resistência que, por sua vez, vai atomizar um e-líquido (vulgo, líquido). A resistência presente nos cigarros eletrónicos é constituída por um fio metálico (usualmente kanthal, aço inoxidável, titânio ou outras ligas) que, no seu interior ou exterior – dependendo do tipo de resistência – contêm algodão orgânico embebido em líquido, produzindo, consequentemente, vapor.
Neste processo não existe combustão e o vapor gerado tem uma dissipação rápida |5|Martuzevicius, D., et al., Characterization of the Spatial and Temporal Dispersion Differences Between Exhaled E-Cigarette Mist and Cigarette Smoke. Nicotine Tob Res, 2019. 21(10): p. 1371-1377. e sem o típico odor desagradável.

Fumar é aproveitar a combustão do tabaco para produzir fumo, o que, por sua vez, se sabe estar associado a mais de 7.000 componentes tóxicos, dos quais, mais de 60 estão identificados como carcinogénicos |6|Centers for Disease Control and Prevention (US); National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion (US); Office on Smoking and Health (US). How Tobacco Smoke Causes Disease: The Biology and Behavioral Basis for Smoking-Attributable Disease: A Report of the Surgeon General. Atlanta (GA): Centers for Disease Control and Prevention (US); 2010. 3, Chemistry and Toxicology of Cigarette Smoke and Biomarkers of Exposure and Harm. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK53014/. . Para além de não possuírem tabaco, ao invés de fumo, os cigarros eletrónicos libertam vapores, resultantes do aquecimento de uma resistência, em contacto com um líquido |7|EU Tobacco Directive. Revision of the Tobacco Products Directive. 2014 September 2019; Available from: https://ec.europa.eu/health/tobacco/products/revision_en.. Apesar da clara diferença, os cigarros eletrónicos não são inócuos e, como tal, não devem ser utilizados por não fumadores ou não aditos à nicotina, menores de idade, mulheres grávidas ou por quem apresente algum problema cardíaco..

O cigarro eletrónico, ou vaporizador, como o conhecemos, foi inventado na China em 2003. A sua ascensão e notoriedade começou a fazer sentir-se a partir de 2009, tendo sofrido inúmeras alterações e melhorias ao longo dos anos. Atualmente e de acordo com um recente relatório da Organização Mundial de Saúde, existem cerca de 45 milhões de utilizadores de cigarros eletrónicos, sendo expectável que atinga 55 milhões no próximo ano |8|World Health Organization. WHO Global Report on Trends in Prevalence of Tobacco Smoking 2000–2025, 2nd ed. 2018 cited 2020 Janeiro; Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272694/9789241514170-eng.pdf?ua=1..

A nicotina é uma substância aditiva e, como tal, todos os líquidos para cigarro eletrónico que contenham nicotina também o são. Todavia, apesar de existirem algumas preocupações inerentes aos seus efeitos, os produtos de combustão de tabaco, e não a nicotina, causam a maioria das adversidades para a saúde |9|Centers for Disease, C., et al., Publications and Reports of the Surgeon General, in How Tobacco Smoke Causes Disease: The Biology and Behavioral Basis for Smoking-Attributable Disease: A Report of the Surgeon General. 2010, Centers for Disease Control and Prevention (US): Atlanta (GA). .

Até ao momento e embora não tenhamos dados oficiais, existem cerca de 200 lojas da especialidade em território nacional.

Não existe nenhum estudo de caracter específico que nos informe acerca do número de utilizadores nacionais. Contudo, por intermédio de uma análise ao setor, desencadeada de forma voluntária e informal no seio das lojas da especialidade, temos indícios de que possam existir cerca de 150 a 200 mil utilizadores. Um número pequeno, quando comparado com os mais de 3 milhões de fumadores |10|European Commission, Attitudes of Europeans towards tobacco and electronic cigarettes. 2017; Available from: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/2f01a3d1-0af2-11e8-966a-01aa75ed71a1.. Ou seja, há mais de 3 milhões de fumadores que podem vir a beneficiar da transição para os cigarros eletrónicos.

A faixa etária que mais utiliza cigarros eletrónicos pessoais é a que se situa entre os 25 e os 34 anos, seguida dos indivíduos entre os 35 e os 44 anos e, por fim, a faixa dos 45-54 anos de idade.
Em termos de género, o sexo masculino é mais representativo, ocupando cerca de 60% dos utilizadores.

É proibida toda a venda de produtos de tabaco, tabaco sem combustão e cigarros eletrónicos a menores de 18 anos.

Que se tenha conhecimento, não. As lojas da especialidade estão instruídas a pedir a identificação a todo e qualquer cliente que levante a mínima dúvida em termos de idade, pelo que não temos registo de irregularidades.

Existe uma preocupação neste sentido, no entanto, para já, não se verifica este fenómeno. A análise aos últimos dados visando as atitudes dos europeus em relação ao tabaco e aos cigarros eletrónicos, o Euro barómetro Especial, publicado em 2017 |11|Fundação Portuguesa do Pulmão. Porque é tão difícil deixar de fumar? cited 2019 October; Available from: https://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/apoio-ao-doente/cessacao-tabagica#78., revela que, no universo de 26% de fumadores nacionais, 89% destes se iniciam por intermédio do cigarro tradicional e que, apenas, 1% se iniciam por intermédio dos cigarros eletrónicos. Se nos focarmos apenas sobre os que se iniciam entre as idades de 15 e 24 anos (jovens e jovens adultos), verifica-se que o cigarro convencional permanece como principal responsável – 69% -, sendo que, aos cigarros eletrónicos tão pouco é atribuída significância estatística, sendo apresentada como 0%! A mesma ausência de significância estatística, ou seja, 0%, é atribuída ao número de pessoas que, nunca tendo fumado, utilizam agora o cigarro eletrónico. Repetimos, 0%! Ou seja, o número de utilizadores de cigarros eletrónicos, não só a nível nacional, mas, sobretudo a nível europeu |12|Farsalinos, K.E., et al., Electronic cigarette use in the European Union: analysis of a representative sample of 27 460 Europeans from 28 countries. Addiction, 2016. 111(11): p. 2032-2040., é, praticamente em exclusivo, constituído por atuais e ex-fumadores.

Não existe qualquer dúvida que, na maioria dos países mundiais, o tabaco convencional se trata da principal causa – evitável – de morbimortalidade, sendo responsável, anualmente e apenas na europa, pela morte de, aproximadamente, 700 mil pessoas |13|Unger, M. and D.W. Unger, E-cigarettes/electronic nicotine delivery systems: a word of caution on health and new product development. J Thorac Dis, 2018. 10(Suppl 22): p. S2588-S2592..
Relativamente ao menor dano provocado pelos cigarros eletrónicos, sim, há diversos estudos, realizados por entidades mundiais independentes, demonstrando que, por entre os atuais fumadores e por se apresentarem como consideravelmente menos prejudiciais que o tabaco, os cigarros eletrónicos poderão ser de grande utilidade |14|McNeill, A., Brose, L.S., Calder, R., Bauld, L., Robson, D., Vaping in England: an evidence update February 2019. A report commissioned by Public Health England, Public Health England, Editor. 2019: London. |15|National Academies of Sciences, E., et al., in Public Health Consequences of E-Cigarettes, D.L. Eaton, L.Y. Kwan, and K. Stratton, Editors. 2018, National Academies Press (US): Washington (DC). , nomeadamente através da minimização do seu impacto nefasto ao nível pneumológico |16|Cibella, F., et al., Lung function and respiratory symptoms in a randomized smoking cessation trial of electronic cigarettes. Clin Sci (Lond), 2016. 130(21): p. 1929-37. |17|Campagna, D., et al., Changes in breathomics from a 1-year randomized smoking cessation trial of electronic cigarettes. Eur J Clin Invest, 2016. 46(8): p. 698-706. |18|Ratajczak, A., et al., How close are we to definitively identifying the respiratory health effects of e-cigarettes? Expert Rev Respir Med, 2018. 12(7): p. 549-556. ou cardiovascular |19|Yan, X.S. and C. D’Ruiz, Effects of using electronic cigarettes on nicotine delivery and cardiovascular function in comparison with regular cigarettes. Regul Toxicol Pharmacol, 2015. 71(1): p. 24-34. |20|George, J., et al., Cardiovascular Effects of Switching From Tobacco Cigarettes to Electronic Cigarettes. J Am Coll Cardiol, 2019. 74(25): p. 3112-3120.

Será importante iniciar por referir que, por entre os fumadores nacionais, 80% gostariam de deixar de fumar e 50% tentam fazê-lo anualmente, sendo que apenas 3% o fazem com sucesso |21|Fundação Portuguesa do Pulmão. Porque é tão difícil deixar de fumar? cited 2019 October; Available from: https://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/apoio-ao-doente/cessacao-tabagica#78..
Existem evidências crescentes que demonstram que os cigarros eletrónicos podem ter um papel determinante para o fumador que pretende reduzir ou cessar por completo o consumo de tabaco. Um estudo recentemente publicado estima que, só no ano de 2017, os cigarros eletrónicos tenham ajudado 50.000 a 70.000 pessoas a deixar de fumar no Reino Unido |22|Beard, E., et al., Association of prevalence of electronic cigarette use with smoking cessation and cigarette consumption in England: a time–series analysis between 2006 and 2017. Addiction. n/a(n/a).. De forma semelhante, o Ministério de Saúde Francês estima que, desde a sua aparição, o cigarro eletrónico contribuiu para a cessação tabágica em mais de 700.000 pessoas |23|Pasquereau A, Q.G., Guignard R, Andler R, Verrier F, Pourchez J, Richard JB, Nguyen-Thanh V, Baromètre de Santé publique France 2017. Usage de la cigarette électronique, tabagisme et opinions des 18-75 ans. 2019, Sante Publique France: Saint‑Maurice..
Para além disso, quando comparado com outros métodos de deliberação de nicotina, existem diversos estudos que dão conta da maior efetividade dos cigarros eletrónicos como método de apoio à cessação tabágica |24|Hajek, P., et al., A Randomized Trial of E-Cigarettes versus Nicotine-Replacement Therapy. N Engl J Med, 2019. 380(7): p. 629-637. |25|Polosa, R., et al., Effect of an electronic nicotine delivery device (e-Cigarette) on smoking reduction and cessation: a prospective 6-month pilot study. BMC Public Health, 2011. 11: p. 786. .

Inexplicavelmente, ao invés de serem analisadas as eventuais vantagens na substituição da causa primária de morbimortalidade mundial – o tabaco convencional – há uma tendência crescente em focar a não inocuidade dos cigarros eletrónicos, nomeadamente por intermédio de investigações desenvolvidas em animais e em culturas de células ou tecidos que, nem sempre necessariamente refletem, de forma pragmática, o uso humano |26|Unger, M. and D.W. Unger, E-cigarettes/electronic nicotine delivery systems: a word of caution on health and new product development. J Thorac Dis, 2018. 10(Suppl 22): p. S2588-S2592..
É importante reforçar que, apesar de poderem ter um efeito tóxico bastante mais reduzido, os e-Cig não são inócuos, nem devem ser interpretados como tal, mas que se revelam como uma opção com muito menor impacto negativo na saúde dos atuais fumadores |27|Ratajczak, A., et al., How close are we to definitively identifying the respiratory health effects of e-cigarettes? Expert Rev Respir Med, 2018. 12(7): p. 549-556. , sendo, em exclusivo, destinados a estes.

Sim |28|Hajek, P., et al., A Randomized Trial of E-Cigarettes versus Nicotine-Replacement Therapy. N Engl J Med, 2019. 380(7): p. 629-637.. Embora uma percentagem dos utilizadores veja os cigarros eletrónicos como um substituto menos prejudicial de entrega de nicotina, outra aborda-a como um veículo menos nefasto que lhe permita reduzir o consumo de nicotina de forma progressiva, reduzindo a miligramagem de nicotina presente no líquido até às 0 (zero) miligramas e assim cessar também o ato de vaporizar.

Os principais componentes de um líquido são a glicerina vegetal (VG), seguindo-se o propileno glicol (PG). Os aromas fazem igualmente parte da constituição dos líquidos. A utilização da nicotina é opcional e apenas pode ser utilizada em líquidos com uma miligramagem máxima de 20mg/ml, conforme diretivas da TPD, da Comunidade Europeia, entretanto, na mais recente adaptação nacional, constantes da Lei n.º 63/2017, de 03/08 |29|Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized. .

Sim. Para além de ser menos prejudicial, sabe-se que os fumadores encontram na experiência de vaporização uma satisfação que irá ao encontro do que gostam no cigarro convencional |30|McNeill, A., Brose, LS., Calder, R., Bauld, L., Robson, D. Evidence review of e-cigarettes and heated tobacco products. 2018 September 2019; Available from: https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/684963/Evidence_review_of_e-cigarettes_and_heated_tobacco_products_2018.pdf. .

Sim |31|Walker, N., et al., Nicotine patches used in combination with e-cigarettes (with and without nicotine) for smoking cessation: a pragmatic, randomised trial. The Lancet Respiratory Medicine, 2020. 8(1): p. 54-64. . O importante é que o organismo receba a quantidade de nicotina que o satisfaça e o mantenha afastado dos cigarros convencionais. Não é necessário cessar a utilização do vaporizador para consumir produtos de terapia de substituição de nicotina.

À semelhança de inúmeros objetos do nosso quotidiano, os cigarros eletrónicos contêm uma bateria para o seu funcionamento. Se for mal utilizada, qualquer bateria pode ventilar ou explodir |32|Mankowski, P.J., et al., Cellular phone collateral damage: A review of burns associated with lithium battery powered mobile devices. Burns, 2016. 42(4): p. e61-4.. Este fenómeno acontece quando os dispositivos são utilizados para além dos seus limites ou para um efeito que não era o previsto.

Segundo a Lei n.º 63/2017 |33|Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized. , um tanque atomizador deverá ter uma capacidade de líquido não superior a 2ml. Todavia, esta limitação é apenas referente aos depósitos que se encontram já abastecidos de líquido e cujo líquido contenha nicotina. No que concerne aos depósitos que se adquiram vazios, com o intuito de os encher posteriormente – algo bastante comum a nível europeu – não existe limite legal. Contudo, será expectável que um utilizador estabeleça limites próprios – normalmente num máximo de 5ml – sob pena de tornar o seu dispositivo demasiado volumoso e incómodo.

Segundo a Lei n.º 63/2017 |34|Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized. , nenhum líquido comercializado no nosso País poderá exceder as 20mg/ml de concentração de nicotina. Este é o cenário comum a, praticamente, toda a comunidade europeia.

Após mais de uma década do seu aparecimento e já com milhões os utilizadores de cigarros eletrónicos, despoletou uma súbita onda de doenças respiratórias nos EUA, incluindo, até ao momento, 60 mortes. Esta tem sido a grande bandeira por trás das notícias que se têm espalhado na comunicação social. Contudo, seria expectável uma análise fundamentada do surto em causa, uma vez que já não existe qualquer dúvida que tal surto está, exclusivamente, relacionado com o consumo de produtos adquiridos ilegalmente – líquidos com cannabis / tetraidrocanabinol e acetato de vitamina E – naquilo que se denomina o mercado negro. Ou seja, tal como indicado pelo Centers for Disease Control and Prevention dos Estados Unidos da América (CDC), os cigarros eletrónicos não são a causa deste surto |35|Centers for Disease Control and Prevention, Outbreak of Lung Injury Associated with the Use of E-Cigarette, or Vaping, Products. 2020 cited January, 2020; Available from: https://www.cdc.gov/tobacco/basic_information/e-cigarettes/severe-lung-disease.html., sendo, adicionalmente, reconhecido que, se adquiridos por vias legais e regulamentadas, os cigarros eletrónicos têm o potencial de beneficiar os fumadores adultos – excluindo grávidas ou doentes – se usados como substitutos para os cigarros convencionais e outros produtos de tabaco |36|Centers for Disease Control and Prevention, About Electronic Cigarettes (E-Cigarettes). 2020 January, 2020; Available from: https://www.cdc.gov/tobacco/basic_information/e-cigarettes/about-e-cigarettes.html..

Não. A revisão da TPD de maio de 2017 classifica o Acetato de Vitamina E como substância proibida |37|European Union, Revision of the Tobacco Products Directive. 2017 January, 2020; Available from: https://ec.europa.eu/health/tobacco/products/revision_pt.. Este mesmo pressuposto existe para diversos outros componentes, devidamente identificados e reconhecidos como prejudiciais à saúde do utilizador. Assim, desde que adquirido numa loja da especialidade e com a devida rotulagem, não será possível encontrar nenhum líquido à venda que possa conter esta e outras substâncias prejudicais, como recentemente provado numa análise europeia a mais de 40.000 líquidos |38|Nyakutsikwa, B., et al., Vitamin E acetate is not present in licit e-cigarette products available on the UK market. Addiction. n/a(n/a). .

Sim, mas não só. Os líquidos podem conter água na sua composição e, a própria glicerina vegetal, tendo propriedades hidratantes e por ser solúvel em água, terá uma percentagem de água, pelo que podemos concluir que o vapor é também vapor de água.

Porém, além da água, encontram-se os outros componentes anteriormente descritos que também permitem a formação de vapor. Sabe-se hoje que no vapor dos cigarros eletrónicos existem alguns componentes tóxicos. Por entre esses, tem existido uma grande controvérsia baseada num estudo de 2016, que descobriu que os cigarros eletrónicos contêm substâncias químicas ligadas ao fenómeno popcorn lung, como diacetil, acetil propionil e acetoína |39|Allen, J.G., et al., Flavoring Chemicals in E-Cigarettes: Diacetyl, 2,3-Pentanedione, and Acetoin in a Sample of 51 Products, Including Fruit-, Candy-, and Cocktail-Flavored E-Cigarettes. Environ Health Perspect, 2016. 124(6): p. 733-9.. É importante destacar que os fumadores estão expostos a 750 vezes mais diacetil nos cigarros convencionais |40|Fujioka, K. and T. Shibamoto, Determination of toxic carbonyl compounds in cigarette smoke. Environ Toxicol, 2006. 21(1): p. 47-54..

Adicionalmente, um novo estudo – observacional, de três anos e meio, publicado em 2017, não encontrou nenhuma indicação de que os líquidos causem qualquer efeito popcorn lung nos utilizadores de cigarros eletrónicos |41|Polosa, R., et al., Health impact of E-cigarettes: a prospective 3.5-year study of regular daily users who have never smoked. Scientific Reports, 2017. 7(1): p. 13825. . Para além do supracitado, também os metais pesados têm sido alvo de escrutínio, assente na possibilidade de se encontrarem em quantidades semelhantes às do fumo do cigarro convencional ou, até, de terem efeitos ainda mais prejudiciais que estes. Contudo, a ciência mostra  que os mesmos, apesar de existirem, adquirem níveis tóxicos 9 a 450 vezes menores do que fumo do cigarro |42|Goniewicz, ML , et al., https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23467656 Tob Control, 2014. 23(2): p. 133-9. e que não apresentam preocupação significativa para a saúde dos fumadores que mudam para o cigarro eletrónico |43|Farsalinos, K.E., V. Voudris, and K. Poulas, Are metals emitted from electronic cigarettes a reason for health concern? A risk-assessment analysis of currently available literature. Int J Environ Res Public Health, 2015. 12(5): p. 5215-32..

Existem inúmeros estudos científicos dando conta de que o vapor passivo – a inalação de vapor por quem esteja no mesmo espaço de um utilizador ativo de cigarros eletrónicos e ao contrário dos produtos convencionais de tabaco – incluindo o tabaco aquecido -, não representa um risco para os mesmos |44|Protano, C., et al., Second-hand smoke generated by combustion and electronic smoking devices used in real scenarios: Ultrafine particle pollution and age-related dose assessment. Environ Int, 2017. 107: p. 190-195. e que, mesmo no interior de uma loja da especialidade, onde a concentração de vapor se intensifica, as concentrações de produtos químicos no ar, se encontram abaixo dos limites de exposição |45|Leonard Zwack., A., Stefaniak, Ryan LeBouf., Evaluation of Chemical Exposures at a Vape Shop. Health Hazard Evaluation Program. U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, National Institute for Occupational Safety and Health, 2017..

Sendo aditiva, a nicotina deve ser considerada prejudicial. No entanto, há dois fatores de preocupação comuns: neoplasias e doenças cardíacas. À luz do atual conhecimento científico, a nicotina não é vista como cancerígena |46|Shahab, L., et al., Nicotine, Carcinogen, and Toxin Exposure in Long-Term E-Cigarette and Nicotine Replacement Therapy Users: A Cross-sectional Study. Ann Intern Med, 2017. 166(6): p. 390-400., uma vez ter sido demonstrada a não existência de risco aumentado de cancro com a sua utilização. No que concerne à sua influência ao nível cardíaco, os níveis máximos de nicotina plasmática após 5 minutos de exposição aos cigarros eletrónicos são, em média, 10 vezes menores do que os dos cigarros Fearon, I.M., et al., Nicotine pharmacokinetics of electronic cigarettes: A review of the literature. Regul Toxicol Pharmacol, 2018. 100: p. 25-34.. Adicionalmente, há evidência segura de que a nicotina por si só não é tão viciante quanto a nicotina quando combinada com alcaloides encontrados no tabaco.

Sim. Existem no mercado inúmeras opções de líquidos sem nicotina. Os líquidos, tal como os cigarros eletrónicos pessoais, estão legislados e a lei determina que os líquidos com nicotina só podem ser comercializados em recipientes com 10ml de capacidade, no máximo. Qualquer medida superior poderá ser comercializada apenas sem nicotina, à qual, normalmente, se adiciona uma solução de nicotina, adquirida separadamente.
Todos os produtos que contêm nicotina são facilmente identificáveis pela estampilha fiscal, aplicável aos produtos de tabaco.

Referências   [ + ]

1. Ontario Agency for Health Protection and Promotion (Public Health Ontario), Berenbaum, E., Keller-Olaman, S., Manson, H., Moloughney, B., Muir, S., Simms, C., Singh, H., Watson, K., Current evidence on ecigarettes: a summary of potential impacts. 2018: Toronto, ON: Queen’s Printer for Ontario.
2. European Parliament, European Council. Directive 2014/40/EU. Official Journal of the European Union. 2014; Available from: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/EN/TXT/?uri=OJ%3AJOL_2014_127_R_0001.
3, 29. Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized.
4. Assembleia da República. Lei n.º 109/2015. Diário da República n.º 166/2015, Série I de 2015-08-26. 2015; Available from: https://dre.pt/home/-/dre/70114078/details/maximized.
5. Martuzevicius, D., et al., Characterization of the Spatial and Temporal Dispersion Differences Between Exhaled E-Cigarette Mist and Cigarette Smoke. Nicotine Tob Res, 2019. 21(10): p. 1371-1377.
6. Centers for Disease Control and Prevention (US); National Center for Chronic Disease Prevention and Health Promotion (US); Office on Smoking and Health (US). How Tobacco Smoke Causes Disease: The Biology and Behavioral Basis for Smoking-Attributable Disease: A Report of the Surgeon General. Atlanta (GA): Centers for Disease Control and Prevention (US); 2010. 3, Chemistry and Toxicology of Cigarette Smoke and Biomarkers of Exposure and Harm. Available from: https://www.ncbi.nlm.nih.gov/books/NBK53014/.
7. EU Tobacco Directive. Revision of the Tobacco Products Directive. 2014 September 2019; Available from: https://ec.europa.eu/health/tobacco/products/revision_en.
8. World Health Organization. WHO Global Report on Trends in Prevalence of Tobacco Smoking 2000–2025, 2nd ed. 2018 cited 2020 Janeiro; Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/272694/9789241514170-eng.pdf?ua=1.
9. Centers for Disease, C., et al., Publications and Reports of the Surgeon General, in How Tobacco Smoke Causes Disease: The Biology and Behavioral Basis for Smoking-Attributable Disease: A Report of the Surgeon General. 2010, Centers for Disease Control and Prevention (US): Atlanta (GA).
10. European Commission, Attitudes of Europeans towards tobacco and electronic cigarettes. 2017; Available from: https://op.europa.eu/en/publication-detail/-/publication/2f01a3d1-0af2-11e8-966a-01aa75ed71a1.
11, 21. Fundação Portuguesa do Pulmão. Porque é tão difícil deixar de fumar? cited 2019 October; Available from: https://www.fundacaoportuguesadopulmao.org/apoio-ao-doente/cessacao-tabagica#78.
12. Farsalinos, K.E., et al., Electronic cigarette use in the European Union: analysis of a representative sample of 27 460 Europeans from 28 countries. Addiction, 2016. 111(11): p. 2032-2040.
13. Unger, M. and D.W. Unger, E-cigarettes/electronic nicotine delivery systems: a word of caution on health and new product development. J Thorac Dis, 2018. 10(Suppl 22): p. S2588-S2592.
14. McNeill, A., Brose, L.S., Calder, R., Bauld, L., Robson, D., Vaping in England: an evidence update February 2019. A report commissioned by Public Health England, Public Health England, Editor. 2019: London.
15. National Academies of Sciences, E., et al., in Public Health Consequences of E-Cigarettes, D.L. Eaton, L.Y. Kwan, and K. Stratton, Editors. 2018, National Academies Press (US): Washington (DC).
16. Cibella, F., et al., Lung function and respiratory symptoms in a randomized smoking cessation trial of electronic cigarettes. Clin Sci (Lond), 2016. 130(21): p. 1929-37.
17. Campagna, D., et al., Changes in breathomics from a 1-year randomized smoking cessation trial of electronic cigarettes. Eur J Clin Invest, 2016. 46(8): p. 698-706.
18, 27. Ratajczak, A., et al., How close are we to definitively identifying the respiratory health effects of e-cigarettes? Expert Rev Respir Med, 2018. 12(7): p. 549-556.
19. Yan, X.S. and C. D'Ruiz, Effects of using electronic cigarettes on nicotine delivery and cardiovascular function in comparison with regular cigarettes. Regul Toxicol Pharmacol, 2015. 71(1): p. 24-34.
20. George, J., et al., Cardiovascular Effects of Switching From Tobacco Cigarettes to Electronic Cigarettes. J Am Coll Cardiol, 2019. 74(25): p. 3112-3120.
22. Beard, E., et al., Association of prevalence of electronic cigarette use with smoking cessation and cigarette consumption in England: a time–series analysis between 2006 and 2017. Addiction. n/a(n/a).
23. Pasquereau A, Q.G., Guignard R, Andler R, Verrier F, Pourchez J, Richard JB, Nguyen-Thanh V, Baromètre de Santé publique France 2017. Usage de la cigarette électronique, tabagisme et opinions des 18-75 ans. 2019, Sante Publique France: Saint‑Maurice.
24. Hajek, P., et al., A Randomized Trial of E-Cigarettes versus Nicotine-Replacement Therapy. N Engl J Med, 2019. 380(7): p. 629-637.
25. Polosa, R., et al., Effect of an electronic nicotine delivery device (e-Cigarette) on smoking reduction and cessation: a prospective 6-month pilot study. BMC Public Health, 2011. 11: p. 786.
26. Unger, M. and D.W. Unger, E-cigarettes/electronic nicotine delivery systems: a word of caution on health and new product development. J Thorac Dis, 2018. 10(Suppl 22): p. S2588-S2592.
28. Hajek, P., et al., A Randomized Trial of E-Cigarettes versus Nicotine-Replacement Therapy. N Engl J Med, 2019. 380(7): p. 629-637.
30. McNeill, A., Brose, LS., Calder, R., Bauld, L., Robson, D. Evidence review of e-cigarettes and heated tobacco products. 2018 September 2019; Available from: https://assets.publishing.service.gov.uk/government/uploads/system/uploads/attachment_data/file/684963/Evidence_review_of_e-cigarettes_and_heated_tobacco_products_2018.pdf.
31. Walker, N., et al., Nicotine patches used in combination with e-cigarettes (with and without nicotine) for smoking cessation: a pragmatic, randomised trial. The Lancet Respiratory Medicine, 2020. 8(1): p. 54-64.
32. Mankowski, P.J., et al., Cellular phone collateral damage: A review of burns associated with lithium battery powered mobile devices. Burns, 2016. 42(4): p. e61-4.
33. Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized.
34. Assembleia da República, Lei n.º 63/2017, Diário da República n.º 149/2017, Série I de 2017-08-03. 2017; Available from: https://dre.pt/pesquisa/-/search/107805893/details/maximized.
35. Centers for Disease Control and Prevention, Outbreak of Lung Injury Associated with the Use of E-Cigarette, or Vaping, Products. 2020 cited January, 2020; Available from: https://www.cdc.gov/tobacco/basic_information/e-cigarettes/severe-lung-disease.html.
36. Centers for Disease Control and Prevention, About Electronic Cigarettes (E-Cigarettes). 2020 January, 2020; Available from: https://www.cdc.gov/tobacco/basic_information/e-cigarettes/about-e-cigarettes.html.
37. European Union, Revision of the Tobacco Products Directive. 2017 January, 2020; Available from: https://ec.europa.eu/health/tobacco/products/revision_pt.
38. Nyakutsikwa, B., et al., Vitamin E acetate is not present in licit e-cigarette products available on the UK market. Addiction. n/a(n/a).
39. Allen, J.G., et al., Flavoring Chemicals in E-Cigarettes: Diacetyl, 2,3-Pentanedione, and Acetoin in a Sample of 51 Products, Including Fruit-, Candy-, and Cocktail-Flavored E-Cigarettes. Environ Health Perspect, 2016. 124(6): p. 733-9.
40. Fujioka, K. and T. Shibamoto, Determination of toxic carbonyl compounds in cigarette smoke. Environ Toxicol, 2006. 21(1): p. 47-54.
41. Polosa, R., et al., Health impact of E-cigarettes: a prospective 3.5-year study of regular daily users who have never smoked. Scientific Reports, 2017. 7(1): p. 13825.
42. Goniewicz, ML , et al., https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/23467656 Tob Control, 2014. 23(2): p. 133-9.
43. Farsalinos, K.E., V. Voudris, and K. Poulas, Are metals emitted from electronic cigarettes a reason for health concern? A risk-assessment analysis of currently available literature. Int J Environ Res Public Health, 2015. 12(5): p. 5215-32.
44. Protano, C., et al., Second-hand smoke generated by combustion and electronic smoking devices used in real scenarios: Ultrafine particle pollution and age-related dose assessment. Environ Int, 2017. 107: p. 190-195.
45. Leonard Zwack., A., Stefaniak, Ryan LeBouf., Evaluation of Chemical Exposures at a Vape Shop. Health Hazard Evaluation Program. U.S. Department of Health and Human Services, Centers for Disease Control and Prevention, National Institute for Occupational Safety and Health, 2017.
46. Shahab, L., et al., Nicotine, Carcinogen, and Toxin Exposure in Long-Term E-Cigarette and Nicotine Replacement Therapy Users: A Cross-sectional Study. Ann Intern Med, 2017. 166(6): p. 390-400., uma vez ter sido demonstrada a não existência de risco aumentado de cancro com a sua utilização. No que concerne à sua influência ao nível cardíaco, os níveis máximos de nicotina plasmática após 5 minutos de exposição aos cigarros eletrónicos são, em média, 10 vezes menores do que os dos cigarros Fearon, I.M., et al., Nicotine pharmacokinetics of electronic cigarettes: A review of the literature. Regul Toxicol Pharmacol, 2018. 100: p. 25-34.