Menu Fechar

O Instituto Pasteur revela a escala de toxicidade: tabaco 100, Iqos 23, cigarro eletrónico 1

A equipe liderada por Romain Dusautoir analisou os níveis de hidrocarbonetos aromáticos carbonílicos e policíclicos (IPA) nas emissões de um cigarro de combustão (3R4F), do tabaco aquecido Iqos e em três dispositivos vaping (duas box Mod e um Ego).

São 100 os danos dos cigarros tradicionais, os dispositivos de tabaco aquecido são prejudiciais 23, enquanto os cigarros eletrónicos são prejudiciais 1. Estas são as conclusões do estudo confiado ao Instituto Pasteur de Lille e financiado pelo Instituto Nacional do Cancro intitulado: ” Comparação da composição química de aerossóis de produtos de tabaco aquecido, cigarros eletrónicos e cigarros de tabaco e os seus impactos tóxicos nas células epiteliais brônquicas humanas BEAS-2B “.A equipe liderada por Romain Dusautoir analisou os níveis de hidrocarbonetos aromáticos carbonílicos e policíclicos (IPA) nas emissões de um cigarro de combustão (3R4F), no fumo do tabaco aquecido Iqos (Htp) e em três dispositivos vaping (duas Box MOD – Mb18W e Mb30W – e um Ego -Lounge-). Os pesquisadores começaram com a necessidade de informar os consumidores sobre os danos reais à saúde das novas ferramentas de entrega de nicotina, para que eles pudessem escolher qual produto usar para parar de fumar. Os resultados foram publicados na revista Science Direct. ” Consistente com os níveis de compostos tóxicos medidos em cada aerossol – escrevem os pesquisadores do Instituto Pasteur –  o aerossol do tabaco aquecido (Htp) mostra uma citotoxicidade reduzida em comparação com o fumo do cigarro, mas superior às emissões dos e-cigs “. O fumo do cigarro contém quase 7000 compostos tóxicos, a maioria dos quais ausentes no vapor produzido pelo cigarro eletrónico. Em particular, ele não contém monóxido de carbono ou alcatrão, ao contrário dos cigarros.

Nivel de emissões

Os níveis de 19 carbonilos e 23 hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (Ipa) foram medidos no fumo de um cigarro, num dispositivo de tabaco aquecido Iqos (indicado por Htp) e três modelos de cigarros eletrónicos (um modelo antigo do Ego(indicado por Lounge) com resistência de 2,8 ohm). a 4,6 watts e um box MOD mais recente com duas configurações diferentes: resistência de 0,5 ohm aquecida a 18 watts (indicado por Mb18W) e a 30 watts (indicado por Mb30W) . O líquido utilizado para as três configurações continha 16 mg / ml de nicotina e uma densidade de propilenoglicol a 70%. ” Para garantir condições experimentais realistas, dois investigadores testaram regularmente os e-cigs usados ​​em nosso estudo para evitar a existência de Dry Hits( vaporizar a seco/ resistência sem estar embebida em liquido)” Os pesquisadores analisaram a presença de substâncias tóxicas em cada inalação e de maneira relevante para µg de nicotina administrada. Os resultados, detalhados para cada substância, indicam para a mesma liberação de nicotina, uma redução de 77% nas emissões de carbonilos para Iqos e uma redução acima de 99,5% para os vários modelos de e-cig. Simplificando, pode-se dizer que o Iqos reduz a dose de carbonilos em quatro vezes em comparação com os cigarros tradicionais, enquanto o cigarro eletrónico a reduz entre 200 e 500 vezes. ” No geral – explicam os pesquisadores -, nossos dados mostram que, a temperaturas normais, o teor de carbonilos nas emissões dos e-cigs é apenas uma pequena parte dos níveis inalados pelos usuários de produtos de tabaco.” Os autores destacam a redução acentuada das emissões de carbonetos de Iqos em comparação com os cigarros comuns, mas observam que ” a presença de altos níveis de acetaldeído é um sinal distinto da pirólise e da degradação termogênica do tabaco. Pelo contrário, a principal fonte de carbonilos nas emissões de vaping é a degradação térmica da glicerina e propilenoglicol contidos no líquido “.
No que diz respeito aos hidrocarbonetos aromáticos policíclicos, o antigo modelo de cigarro eletrónico Ego é menos eficiente do que as mod box atuais: “apenas” reduz as taxas dessa classe de substâncias tóxicas em 92,5% em comparação com os cigarros. Iqos uma redução de 94,3%. Enquanto que nas duas configurações de box mod atingem, respectivamente, 98,5% e 99,2% de redução.
Em resumo, a pesquisa confirma o que até agora tem sido apoiado pela classe médico-científica anglo-saxônica: os dispositivos electrónicos de entrega de nicotina são muito menos arriscadas do que os cigarros tradicionais. Mas, dos dois tipos, os cigarros eletrónicos são ainda menos prejudiciais que os dispositivos de tabaco aquecido. Assim, numa escala de danos, o tabaco tradicional danifica 100, o tabaco aquecido em média 23, e os cigarros eletrónicos de nova geração 1.

Fontes:

Science Direct :https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2020.123417t

Sigmagazine

Artigos Relacionados