Menu Fechar

O Plano Europeu para o Cancro marca passo na sua principal causa comportamental – o tabagismo.

A Comissão Europeia fez publicar o seu plano de combate ao cancro, levando a Associação Portuguesa de Vaporizadores – APORVAP – a assumir uma clara preocupação com o viés que o relatório demonstra contra os vaporizadores.

Alega, a Comissão Europeia, que o objetivo primário será o de alcançar uma Europa sem tabaco. Neste âmbito, o presidente da APORVAP, Cristiano Batista, refere:

“Compreendemos este objetivo que, aliás, é também o nosso. Também nós, ao representarmos um produto que não contêm tabaco, não está sujeito a combustão e não produz fumo, estamos a lutar contra o tabagismo. O plano, que hoje foi publicado, mostra que a Comissão Europeia está a permitir que a especulação se sobreponha à razão e evidência científica.  Ignora, por exemplo, estudo científicos recentes, validados pelos pares, e que apontam que, quando comprados com os cigarros convencionais – fumo do cigarro -, os vaporizadores representam uma redução de 99,6% no potencial cancerígeno do vapor. Ignora, de igual forma, estudos que indicam uma redução do dano geral para a saúde dos seus utilizadores, na ordem dos 95% a 99%, que sustentam, por parte de países como Inglaterra ou França, a recomendação dos vaporizadores para a cessação tabágica e proteção da saúde em atuais fumadores.”

Aumentar a taxação de forma geral e a nível europeu, bem como banir sabores, metas incluídas no plano hoje revelado, levam Cristiano Batista a concluir que:

“Esta errónea abordagem levará, inevitavelmente, a que os vaporizadores se tornem menos acessíveis, desencadeando uma relação de causa-efeito, sendo que os efeitos se farão, maioritariamente, sentir no seio da saúde pública. Isto tem custos. Para além dos económicos, custará a vida de muitos. Assumirá a EU a responsabilidade por esta despesa? Há aqui uma clara intenção de, sob o ponto de vista legal, fazer interpretar um vaporizador como um qualquer maço de cigarros. Ora, os vaporizadores existem há mais de 15 anos. Têm, a nível nacional centenas de milhares de utilizadores diários que, por seu intermédio, cessaram a sua adição tabágica. Contabilizamos zero mortes! O tabagismo provoca, anualmente, doze mil óbitos. Quão insolentes precisamos ser para vislumbrar uma qualquer possível semelhança?”

De acordo com o descrito no plano, a Comissão Europeia assentará estas intenções no seio do quadro comunitário de controlo do tabaco, já em vigor e que alimenta as conclusões e seus planos futuros.  Tal, leva Cristiano Batista a referir que:

“É completamente incompreensível que a Comissão Europeia desconsidere a ciência. Sabemos que Portugal, infelizmente, tem um nulo contributo no estado da arte relativo aos vaporizadores. Todavia, os países europeus que encabeçam este desenvolvimento são, precisamente, os mesmos que adotaram esta ferramenta como válida e benéfica para os seus cidadãos, ou seja, a França e a Inglaterra que, em conjunto, representam mais de 50% da contribuição científica nesta temática. Será coincidência que ambos as integrem nos seus planos e que a EU, ao invés, os negligencie?”

Importa referir que o Parlamento ainda não publicou a sua versão do plano, levando a APORVAP a referir que apelará a todos os deputados europeus, nomeadamente os Portugueses, a terem em conta as falhas do plano da Comissão, na perspetiva de evitar um erro que consideram como desastroso. Para tal, a associação Portuguesa disponibilizará todo o seu apoio, visando toda e qualquer clarificação e/ou dados que, pelos mesmos, sejam considerados como pertinentes.

Notas:

  • O Plano Europeu de Combate ao Cancro visa reduzir a incidência do cancro nos doentes, nas suas famílias e nos sistemas de saúde. Abordará, através de ações de apoio, coordenação e complemento dos esforços dos Estados-Membros, as desigualdades relacionadas com o cancro;
  • A Comissão Europeia apresentará a sua proposta final em 3 de fevereiro. Ao mesmo tempo, o Parlamento Europeu está a trabalhar nas suas sugestões para
  • O plano, hoje divulgado, pode ser encontrado em anexo;
  • A versão final do Plano de Combate ao Cancro será publicado no decurso de 2021;
  • A APORVAP é uma associação sem fins lucrativos, cujo objetivo é, perante os seus associados e população em geral, defender a utilização de vaporizadores pessoais, suportada pela evidência científica de se tratar de um método de consumo de nicotina menos danoso que os produtos de tabaco;
  • A APORVAP apoia a petição BACK VAPING. BEAT CANCER, da World Vapers’ Alliance, e instiga todos os seus associados a que a assinem.

Artigos Relacionados